• Confessionários reais significam mais confissões reais. Data da Postagem: 10 mai 2013 | Autor: Ataíde | Comentários: 0 comentário
  • Print Friendly

     

    Amor Mariano: Lendo a notícia abaixo percebemos que a “derrubada” dos confessionários e a sua troca pelas confissões frente a frente com os Sacerdotes não passa de uma armadilha de satanás para cada vez mais coibir os fieis de se confessarem e voltarem à Amizade com Deus, além de ser uma feroz armadilha para os Sacerdotes que veem mulheres com pouca ou quase nenhuma roupa na sua frente…Rezemos pela volta dos confessionários conforme foi inspirado pelo Espirito Santo à Santa Igreja.

    Por Rorate-Caeli | Tradução: Fratres in Unum.com - Nos últimos anos diversas paróquias ao redor do mundo restauraram coisas, como, por exemplo, mesas de comunhão, altares-mores, estátuas, sacrários posicionados no centro e os outros itens que comumente se encontravam nas igrejas Católicas.

    Entretanto, uma área que foi muito negligenciada é a restauração (ou construção) de confessionários para as naves ou transeptos das igrejas. Mesmo as pretensas igrejas conservadoras aceitaram a “sala de reconciliação” como o padrão, desde que haja um genuflexório e anteparo como uma opção dentro da sala tipo escritório.

    Comparem a “sala de reconciliação” de uma típica paróquia com um dos muitos confessionários na Basílica de São Pedro:

    Recentemente, uma paróquia novusordinariana (rezem para que ela ofereça a Missa Tradicional em breve) descobriu que mais pessoas se confessam quando existe um confessionário visível.

    Um Confessionário da Escola Antiga Reaviva a Expressão “Perdão”

    Por Ann Marie Somma

    da Religion News News

    DERBY, Conn. (RNS) O Reverendo Janusz Kukulka não pode dizer ao certo que seus paroquianos estão pecando mais, mas certamente eles estão fazendo fila diante do novo confessionário para lhe contar seus pecados.

    Durante anos, Kukulka, contentava-se em absolver pecados em uma sala privada assinalada com uma placa de saída à direita do altar de Santa Maria da Igreja Católica da Imaculada Conceição.

    Mas algo aconteceu durante a Quaresma deste ano. Pela a primeira vez, Kukulka percebeu realmente os dois confessionários perdidos na parte de trás de sua igreja. Eles haviam desaparecido por quatro décadas, banidos durante os anos 70 para dar lugar a unidades de ar condicionado durante uma renovação inspirada no Concílio Vaticano Segundo.

    Eles devem ter sido belos, pensou Kukulka. E imaginou as suas portas de painéis de carvalho escuro e formas arqueadas para combinar com a arquitetura gótica da igreja projetada pelo ilustre arquiteto do século IXX, Patrick Keely.

    A ausência deles era marcante, especialmente, quando a Arquidiocese de Hartford havia pedido às paróquias para estender os horários de confissão durante a Quaresma, parte de uma campanha de relações públicas para fazer com que os católicos retornassem ao sacramento da reconciliação.

    Assim, em um domingo Kukulka anunciou o seu desejo à congregação. “Disse-lhes que queria um confessionário visível”, ele contou.

    Ele recebeu um dentro de uma semana. Os paroquianos Timothy Conlon e Patrick Knott se mexeram rápido para atender o desejo de seu padre. Eles pensaram em construir um confessionário, mas o custo era proibitivo para a paróquia sem grana. Assim, eles recorreram à Internet, onde Conlon encontrou um confessionário antigo à venda em Iowa pelo eBay.

    Conlon voou para Iowa e voltou para Derby trazendo o confessionário de carro. A esposa de Knott, Elisa, doou o custo $1.100,00 do confessionário em honra de seus pais, que eram paroquianos devotos da igreja. Uma placa acima do confessionário ostenta seu nome.

    “É um sucesso!”, disse Conlon.

    Patrick Knott, que nunca havia se confessado em uma sala privada, disse que uma longa fila se formou em fevereiro, quando Kukulka atendeu a primeira confissão no confessionário. Ele foi o primeiro a experimentá-lo.

    Recebi o status de celebridade, ele contou. “Não foi nada mal”.

    Kukulka disse que desde então as confissões estão em alta na igreja.

    Leia toda a história no Religion News Service aqui.

    Vale observar que o sítio da paróquia na Internet chama aquilo que todos no mundo conhecem como o sacramento da penitência: ”confissões”.  Não “reconciliação”, ou “cura” ou outros nomes psicológicos que não aumentaram a freqüência da confissão desde o Concílio Vaticano II.