Igreja Liturgia

Perguntas e respostas sobre músicas na Santa Missa

Escrito por Mateus

O Poder da santa Missa papa Bento XVI Rito Tridentino

[quote]

Salve Maria, irmãos, amigos, leitores.

Tem um artigo no site, que está sendo muito visitado, que é: 10 músicas que nunca deveriam ser cantadas numa Missa, e que vem gerando certa polêmica, até mesmo pelo despreparo dos católicos em relação à Liturgia.

Segue abaixo, um ótimo artigo retirado do site www.salvemaliturgia.com, onde é feito uma explanação, em relação às músicas litúrgicas, do que é permitido e não, dentro do Missal Romano, que é o documento oficial da Igreja que estabelece os critérios para celebrar a Santa Missa.

Peço para aqueles que se interessarem pelo artigo, que reconheçam a autoridade desse documento, que não aceita meio termo, e também, que fiquem atentos à questão do bom senso, pois, em se  tratando da Santa Missa, devemos ter em mente, que estamos falando do Sacrifício incruento de Nosso Senhor Jesus Cristo, para nossa salvação, e não há espaço para músicas ritmadas, que deturpam o sentido do sagrado e incentivam a dança.

Boa leitura.

[/quote]

Breves perguntas e respostas sobre a música na Missa

Por Rafael Vitola Brodbeck

Obviamente, nos referimos à forma ordinária do rito romano.

1. O que é a Missa?

É a renovação do sacrifício de Cristo oferecido na Cruz, o qual, por sua vez, foi antecipado na Última Ceia. Ceia, Cruz e Missa são uma só realidade substancial. O que ocorreu no Calvário, ocorre na Missa: Cristo se oferecendo por nós. Todavia, a Missa, como a Última Ceia, se distingue da Cruz quanto ao modo de oferecimento: na Cruz, o sacrifício foi cruento, enquanto na Missa é incruento.

2. O que é Missa cantada? E Missa rezada?

Missa cantada é aquela, na tradição litúrgica romana, que tem todas as partes cantadas (com exceção de uma ou outra parte que, no rito anterior, era feita em voz submissa, ou de recente introdução). Nela, o padre e o coro se alternam no canto da Missa em si mesma. Não se trata de executar cantos durante as ações sacras apenas, mas de verdadeiramente cantar as partes que normalmente se recita.

A Missa rezada se entende justamente como o antônimo da cantada. Tradicionalmente, e isso permanece para aqueles que observam a forma extraordinária do rito romano, a Missa rezada era toda rezada, ainda que acompanhada de cantos. Mas as normas da forma ordinária permitem que na Missa rezada atual haja não apenas acompanhamento de cantos, e sim que trechos da Missa em si mesma sejam cantados. Não todos, pois assim seria Missa cantada.

3. Cantar na Missa ou cantar a Missa?

Depende. Cantar NA Missa é executar cantos que acompanhem as funções sacras, como a Entrada, o Ofertório, a Comunhão. Tem a ver com a Missa rezada, quando acompanhada de cantos. Já cantar A Missa é dizer as partes audíveis que o padre e o povo normalmente falam, só que cantando, não rezando. Tem a ver com a Missa cantada, embora se possa cantar trechos na Missa rezada.

4. O que é Ordinário e o que é Próprio? O que isso tem a ver com o canto na Missa?

Ordinário é a parte fixa da Missa, aquilo que nunca – ou raramente – muda: o Sinal-da-cruz, o Ato Penitencial, o Kyrie, o Glória, o Credo, o Ofertório, o diálogo antes do Prefácio, o Santo, a Consagração, o Pai Nosso etc.

Próprio é a parte variável, aquilo que muda conforme o dia, o tempo e as intenções: a Coleta (Oração do Dia), as leituras da Liturgia da Palavra, a Oração sobre as Oferendas, o Prefácio, a Oração depois da Comunhão. Daí que o conjunto desses elementos de uma determinada Missa se chame “Próprio da Missa”. Assim, há o Próprio da Missa do III Domingo do Advento, o Próprio da Missa de Defuntos, o Próprio da Missa de Pentecostes, o Próprio da Missa da Noite de Natal, o Próprio da Missa pelo Papa, o Próprio da Missa de Batismo etc.

Pode-se cantar A Missa: no Ordinário e no Próprio. Bem como cantar NA Missa: em algumas partes do Próprio que admitam alteração, como a Entrada, a procissão das oferendas, a Comunhão.

O Próprio tem elementos não só que variam conforme o dia, o tempo etc, mas também são facultativos. A Entrada, por exemplo: se pode rezar ou cantar o texto do Missal, ou cantar o texto do Gradual, ou cantar uma música apropriada que tenha a ver com o momento. A procissão do Ofertório a mesma coisa. A Comunhão idem. Outros trechos, como as leituras da Liturgia da Palavra, não podem ser alterados nunca: a Aclamação ao Evangelho é sempre e exatamente aquela disposta no Lecionário, a mesma coisa o Salmo etc.

O Ordinário, por sua vez, não só está sempre presente, como suas palavras não podem ser alteradas, nem quando se o reza, nem quando se o canta. Nesse sentido, o Pai Nosso, que é parte do Ordinário, é sempre rezado ou cantado conforme está no Missal, sem mutilar nem acrescentar ou modificar. Da mesma forma, o Ato Penitencial, o Sinal-da-cruz, o Glória etc, devem ser exatamente os previstos no Missal, quer se recite, quer se cante. Alterar o texto do Ordinário, mesmo que seja com boa intenção, para executar um canto em seu lugar, é proibido e atenta contra as regras da liturgia, mesmo que um padre ou um Bispo permitam – pois eles não podem mudar a lei da Igreja.

5. Quais os tipos de canto que a Igreja permite na Missa? Qual o lugar do canto gregoriano?

A Igreja permite cantos que sejam sóbrios e adequados ao espírito da liturgia. A Missa é um culto, não uma baderna. Há lugar para músicas agitadas com conteúdo religioso fora da Missa.

O parâmetro é o canto gregoriano. Ele é, em igualdade de condições, o ideal. Não o podendo executar, ou havendo justas razões para não o fazer, pode-se escolher outro tipo, e quanto mais esse outro tipo de canto se aproxime do gregoriano, melhor.

Assim, além do gregoriano, há a polifonia sacra e o canto popular sacro. Algumas vezes, a polifonia, por ser bem solene, pode ser melhor para uma Missa especial. Em outras, por causa do povo que se reúne para a Missa ou pela falta de um coral treinado, o canto popular pode ser a alternativa. Mas sempre tendo em vista o lugar de excelência do gregoriano e inspirando-se nele para as melodias e para o “ethos” de sobriedade e seriedade da música litúrgica.

A Missa cantada pode ter partes em gregoriano e partes em polifonia, conforme o tipo.

6. Como é o canto na Entrada?

A Entrada, ou Intróito, é parte do Próprio, variando conforme a Missa. Assim, o Missal traz uma Antífona de Entrada para cada Missa do ano, do tempo, da circunstância. Pode-se rezar ou cantar, em polifonia, ou em melodia inspirada no gregoriano, ou em canto popular, essa antífona do Missal. Ou cantar em gregoriano a antífona prevista no Gradual, ou uma polifonia ou canto popular com essa letra. Ou, então, escolher um canto popular adequado. É um momento livre para se cantar “o que quiser” – com bom senso, claro.

7. Como é o canto no Ato Penitencial? E no Kyrie?

O Ato Penitencial é parte do Ordinário, sendo fixo na Missa. Todavia, o Missal nos dá três opções que o padre pode escolher: a) ou reza ou canta o “Confesso a Deus todo-poderoso…”; b) ou reza ou canta o “Tende compaixão…”; c) ou reza ou canta o “Senhor, que viestes salvar… tende piedade de nós” (ou suas fórmulas apropriadas para cada tempo). Essa terceira opção é chamada de “Kyrie com tropos” ou “com tropários”. Se é usada a primeira ou a segunda fórmulas, após a absolvição, se reza ou canta o “Kyrie” (sem os tropos), ou seja, o “Senhor, tende piedade de nós”. Já se é usada a terceira fórmula, por já ter o “Kyrie”, ele é dispensado após a absolvição.

Como dissemos, o Ato Penitencial é parte do Ordinário. E, por isso, ele não se altera. Quer cantar? Cante, mas cante o que está no Missal. Não interessa se outra coisa está “no folheto”. Folheto não é documento da Igreja! O Ato Penitencial não é o momento para meros “cantos de perdão” ou “cantos de arrependimento”. Assim, o “Misericórdia, Senhor, misericórdia…” ou o “Pai, fechei a porta atrás de mim…” e outros, por mais belos que sejam, não cabem no Ato Penitencial.

8. Como é o canto no Glória?

O Glória é parte do Ordinário, sendo fixo na Missa. Todos os Domingos fora da Quaresma e Advento, nas solenidades e nas festas, ele é rezado ou cantado, e em outras ocasiões propícias também pode ser rezado ou cantado.

Como dissemos, o Glória é parte do Ordinário. E, por isso, ele não se altera. Quer cantar? Cante, mas cante o que está no Missal. Não interessa se outra coisa está “no folheto”. Folheto não é documento da Igreja! O Glória não é o momento para meros “cantos de glória” ou “cantos de louvor”. Assim, o “Gló-ó-ria, gló-ó-ria, ao Pai o Criador…” ou o “Glória, glória, aleluia” e outros, por mais belos que sejam, não cabem no Glória.

9. Como é o canto no Salmo?

O Salmo é parte do Próprio, variando conforme a Missa. Assim, o Lecionário traz um Salmo Responsorial para cada Missa do ano, do tempo, da circunstância. Pode-se rezar ou cantar, em polifonia, ou em melodia inspirada no gregoriano, ou em canto popular, esse Salmo Responsorial do Lecionário. Ou cantar em gregoriano o Salmo Gradual previsto no Gradual, ou uma polifonia com essa letra. Todavia, diferentemente das antífonas, por ser parte da Liturgia da Palavra, e haver uma unidade entre o salmo e as leituras, ele não pode ser alterado.

10. Como é o canto no Aleluia ou no Trato (Aclamação ao Evangelho)?

A Aclamação ao Evangelho pode ser o Aleluia ou o Trato.

O Aleluia é parte do Próprio, variando conforme a Missa. Assim, o Lecionário traz um Aleluia para cada Missa do ano, do tempo, da circunstância. Pode-se rezar ou cantar, em polifonia, ou em melodia inspirada no gregoriano, ou em canto popular, esse Aleluia do Lecionário. Ou cantar em gregoriano o Aleluia previsto no Gradual, ou uma polifonia com essa letra. Todavia, diferentemente das antífonas, por ser parte da Liturgia da Palavra, e por ser uma preparação ao Evangelho, tendo a mesma mensagem dele, ele não pode ser alterado. Embora parte do Próprio, ele não pode ser alterado. Quer cantar? Cante, mas cante o que está no Lecionário ou no Gradual. Não interessa se outra coisa está “no folheto”. Folheto não é documento da Igreja! O Aleluia não é o momento para meros “cantos de aclamação ao Evangelho”. Assim, o “Aleluia, a minh’alma abrirei…” ou o “Buscai primeiro o Reino de Deus…” e outros, por mais belos que sejam, não cabem no Aleluia.

Na Quaresma, o Aleluia é substituído pelo Trato, mas as regras são as mesmas.

11. Como é o canto no Credo?

O Credo é parte do Ordinário, sendo fixo na Missa. Todos os Domingos e nas solenidades, ele é rezado ou cantado. Pode ser usado o texto do Apostólico ou do Niceno-constantinopolitano.

Como dissemos, o Credo é parte do Ordinário. E, por isso, ele não se altera. Quer cantar? Cante, mas cante o que está no Missal. Não interessa se outra coisa está “no folheto”. Folheto não é documento da Igreja! O Credo não é o momento para meros “cantos de fé” ou “cantos de creio”. Assim, o “Creio, Senhor, mas aumentai a minha fé…” e outros, por mais belos que sejam, não cabem no Credo.

12. Como é o canto no Ofertório?

O Ofertório consiste em uma procissão facultativa, nas orações que são o Ofertório em si mesmo, e na Oração sobre as Oferendas.

Durante a procissão, se pode cantar a Antífona de Ofertório – que é do Próprio – prevista no Gradual, em gregoriano, ou usar sua letra para uma melodia inspirada no gregoriano, uma polifonia ou um canto popular. Ou, então, escolher um canto popular adequado. É um momento livre para se cantar “o que quiser” – com bom senso, claro.

As orações do Ofertório são ditas pelo padre em voz submissa enquanto se canta, ou em voz alta quando não se canta ou quando cessa o canto. A Oração sobre as Oferendas é parte do Próprio, havendo uma para cada Missa.

13. Como é o canto no Santo?

O Santo é parte do Ordinário, sendo fixo na Missa.E, por isso, ele não se altera. Quer cantar? Cante, mas cante o que está no Missal. Não interessa se outra coisa está “no folheto”. Folheto não é documento da Igreja! O Santo não é o momento para meros “cantos de Santo”. Assim, o “Santão” ou o “Santo dos Anjos” ou o “Santo é, Deus do Universo, ó, Senhor Javé” e outros, por mais belos que sejam, não cabem no Santo.

14. Como é o canto no Pai Nosso?

O Pai Nosso é parte do Ordinário, sendo fixo na Missa.E, por isso, ele não se altera. Quer cantar? Cante, mas cante o que está no Missal. Não interessa se outra coisa está “no folheto”. Folheto não é documento da Igreja! O Pai Nosso não é o momento para meros “cantos de Pai Nosso”. Assim, o “Ó, Pai Nosso tu que estás” ou o “Pai Nosso que estais nos céus, Pai Nosso que estais aqui…” e outros, por mais belos que sejam, não cabem no Pai Nosso. Tampouco um piegas, ridículo, sentimentalóide e circense “Vamos dar as mãos, vamos dar as mãos, vamos dar e vamos juntos cantar…”

15. Como é o canto no Cordeiro de Deus?

O Cordeiro de Deus é parte do Ordinário, sendo fixo na Missa.E, por isso, ele não se altera. Quer cantar? Cante, mas cante o que está no Missal. Não interessa se outra coisa está “no folheto”. Folheto não é documento da Igreja! O Cordeiro de Deus não é o momento para meros “cantos de Cordeiro”. Assim, o “Jesus Cristo, Cordeiro de Deus…” e outros, por mais belos que sejam, não cabem no Cordeiro de Deus.

16. Como é o canto na Comunhão?

A Comunhão é parte do Próprio, variando conforme a Missa. Assim, o Missal traz uma Antífona de Comunhão para cada Missa do ano, do tempo, da circunstância. Pode-se rezar ou cantar, em polifonia, ou em melodia inspirada no gregoriano, ou em canto popular, essa antífona do Missal. Ou cantar em gregoriano a antífona prevista no Gradual, ou uma polifonia ou canto popular com essa letra. Ou, então, escolher um canto popular adequado. É um momento livre para se cantar “o que quiser” – com bom senso, claro.

17. Como é o canto depois da Comunhão?

A Igreja diz que esse momento serve para a adoração silenciosa, podendo, conforme o costume, a comunidade recitar fórmulas de oração em comum. Se for costume, isso se extende ao canto. Uma música piedosa, calma, mas livre, não prevista em normas, e que tenha o sentido do que se acabou de fazer (agradecendo a Cristo na Eucaristia, por exemplo).

18. Como é o canto no Recessional?

A Igreja não fala nada, mas da tradição das Missas cantadas em que se entoava um hino livre, geralmente gregoriano ou polifonia, se pode cantar algo: gregoriano, polifonia ou popular, mas decente.

19. Podem-se inserir cantos em outras partes?

Não. Não existe “canto de Paz”, nem “canto pra cumprimentar o irmão do lado”, nem “canto pra abençoar quem está de aniversário”.

O que existe é que todas as partes que não mencionamos aqui podem (e na Missa cantada devem) ser cantadas: a Oração do Dia (Coleta), as Preces, as Leituras, o Sinal-da-cruz, o Prefácio, a Oração sobre as Oferendas, a Oração Eucarística, a Oração depois da Comunhão, a Bênção, o Ide em paz etc. Mas sempre com a letra prevista no Missal ou Lecionário. Nada de “Em nome do Pai, em nome do Filho… para louvar e agradecer” ou outras cantos correlatos.

Fonte:  www.salvemaliturgia.com

[quote]

Pesamentos dos Santos a respeito da Santa Missa:

São João Maria Vianney, o Cura d’Ars:

“Se conhecêssemos o valor da Santa Missa nos morreríamos de alegria”.

 

Santo Anselmo:

“Uma só Missa oferecida e ouvida em vida com devoção, para o próprio bem, pode valer mais que mil Missas celebradas na mesma intenção, depois da morte.”

 

Santo Tomás de Aquino:

“A celebração da Santa Missa tem tanto valor como a morte de Jesus na Cruz”.

 

São Francisco de Assis:

“O homem deveria tremer, o mundo deveria vibrar, o Céu intero deveria comover-se profundamente quando o Filho de Deus aparece sobre o altar nas mãos do sacerdote”.

 

Santa Teresa de Jesus:

“Sem a Santa Missa, que seria de nós? Todos aqui embaixo pereceríamos, já que unicamente ela pode deter o braço de Deus. Sem ela, certamente que a Igreja não duraria e o mundo estaria perdido sem remédio”.

Em certa ocasião, Santa Teresa se sentia inundada da bondade de Deus. Então fez essa pergunta a Nosso Senhor: “Senhor meu, como poderei agradecer?” Nosso Senhor respondeu: “Assista uma Missa”.

 

Santo Afonso de Ligório

“O próprio Deus não pode fazer uma ação mais sagrada e maior que a celebração da uma Santa Missa”.

 

Padre Pio de Pieltrecina

“Seria mais fácil que o mundo sobreviva sem o sol do que sem a Santa Missa”.

Padre Pio de Pieltrecina

A Missa é infinita como Jesus… pergunte a um Anjo o que é a Missa e Ele responderá: “em verdade entendo o que é e porque se oferece, mas não posso entender quanto valor tem”. “Um Anjo, mil Anjos, todo o Céu, sabe isto e pensa assim”.

São Lorenzo Justino

“Nunca língua humana pode enumerar os favores que se correlacionam ao Sacrifício da Missa. O pecador se reconcilia com Deus; o homem justo se faz ainda mais reto; os pecados são perdoados; os vícios eliminados; a virtude e o mérito crescem, e os estratagemas do demônio são frustrados.

[/quote]

Sobre o autor

Mateus

  • Pingback: As 10 músicas que nunca deveriam ser cantadas numa missa()

  • Naina Lima

    O texto do Glória não pode em hipótese alguma ser alterado, veja o que diz a Instrução Geral do Missal Romano:
    “53. O Glória é um antiquíssimo e venerável hino com que a Igreja, congregada no Espírito Santo, glorifica e suplica a Deus e ao Cordeiro. Não é permitido substituir o texto deste hino por outro. É começado pelo sacerdote ou, se for oportuno, por um cantor, ou pelo coro, e é cantado ou por todos em conjunto, ou pelo povo alternando com o coro, ou só pelo coro. Se não é cantado, é recitado ou por todos em conjunto ou por dois coros alternadamente.

    O artigo 53 dá uma excelente definição do Glória: “um hino antiquíssimo e venerável, com que a Igreja, congregada no Espírito Santo, glorifica e suplica a Deus e ao Cordeiro”. Vejam que não é um hino trinitário. O Espírito Santo é incluído no louvor, mas na maior parte do hino as súplicas são dirigidas a Cristo.