Igreja Liturgia

Natividade de Nossa Senhora

Escrito por Mateus

Se o nascimento do grande Batista foi motivo de alegria para muitos, a natividade da Mãe de Deus enche de alegria o mundo inteiro. Alegraram-se os santos pais de Maria Santíssima que, com o nascimento da filha,  muito mais receberam do que podiam esperar.  Alegraram-se os patriarcas do Antigo Testamento, que na mesma recém-nascida reconheceram a futura Mãe do Salvador.  Alegraram-se todos os homens, porque o nascimento de Maria veio anunciar-lhes a aurora do grande dia, pelos quais aspiravam os povos do universo.  Alegraram-se os próprios Anjos, porque no dia de hoje pela primeira vez lhes foi dada a ocasião de saudar a mãe d’Aquele, cuja missão sobre a terra seria preencher os lugares do céu, que os Anjos rebeldes perderam. Tem, pois, a Igreja, razão em dizer: “Tua natividade, ó Santíssima Virgem, anunciou ao mundo inteiro grande alegria”. Quem poderá descrever a alegria que São Joaquim e Santa Ana experimentaram no dia do nascimento da filha?  Que consolo não era para aqueles ditosos pais poderem saudar  na filhinha o fruto abençoado do seu estado, a herdeira do nome da nobre família, da religião, das altas prerrogativas dos antepassados, a arca viva dos privilégios mais preclaros da ordem natural e sobrenatural!  Que esperanças as mais suaves não lhes revela o doce olhar da menina, reflexo de virtude, de graça, de Grandeza!  Poder-lhe-ia ser reservada honra maior do que esta, de serem os progenitores da Mãe do Altíssimo, os avós de Jesus Cristo, Salvador do mundo? Foram-lhes cumpridos os santos desejos, realizados os ardentes anelos, ouvidas as orações.

O muito que alguns pais sofrem pelos filhos, não é em grande parte um castigo justo dos seus próprios pecados?  Quais foram as intenções, as disposições com que encontraram  no estado do matrimônio? De que modo nele vivem? São os filhos fruto de orações?  Em vez de os consagrarem a Deus, que lhos deu, oferecem-nos ao ídolo do mundo, propinando-lhes com o leite materno o amor às vaidades. 

Mas também vós, filhos rebeldes, desrespeitosos e maus, que com vossos desregramentos amargurais a existência de vossos pais, julgais escapar à ira de Deus, à maldição divina nesta vida e à perdição na outra?  Abençoados filhos que, à semelhança de Maria, se esmeram em ser a alegria e o consolo daqueles a quem devem a vida!

O nascimento de Maria Santíssima, encheu de alegria a alma dos Patriarcas que durante séculos ansiavam pela vinda do Salvador.  “Abre-te, ó terra – assim exclamavam – e dá-nos um Salvador!  Fazei, ó ceus, descer sobre nós aquele orvalho salutar! Nuvens do céu, fazei chover sobre nós o Justo, que quebre as cadeias da nossa escravidão, restabelecendo-nos na liberdade dos filhos de Deus!”   Com estes gemidos e ardentes votos, passaram-se séculos, sem que o céu se apiedasse da humanidade. Que júbilo não se apoderou  dessas benditas almas, ao receberem a notícia do nascimento daquela Virgem que lhes havIa de dar o Salvador do mundo!  Que contentamento não tiveram ao verem surgir a bela aurora, preconizadora do Sol da justiça, daquele Sol, que traria luz àqueles que estão nas trevas a morte!

Por grande que tenha sido a alegria de todos os Patriarcas o dia do nascimento da Santíssima Virgem não é menos motivo de júbilo para nós que, filhos que somos dum pai pecador,  filhos da ira divina, nascemos.  Como filhos da ira de Deus,  merecíamos ser vítimas da etern vingança.  Poderia haver uma sorte mais triste que a nossa, sem esperança alguma de sermos chamados a uma existência mais venturosa?  Temos desamor aos nossos deveres;  forte é a nossa inclinação para o mal;  pouco nos agrada a virtude. Dessa anomalia precedem todas as desordens na nossa vida.

O dia de hoje é um raio de luz que, vindo do céu,  traz alegria e consolo à nossa triste vida.  Agora sabemos que já existe a Mãe do Salvador, daquele que de nós tirará o peso do pecado; daquele que romperá o vínculo da escravidão, santificando-nos, atraindo-nos para si e para o Eterno Pai.   Já nasceu a flor de Jessé, que produzir´o fruto precioso da Salvação. Nasceu a Mãe de Jesus Cristo, a nossa Mãe.  Mãe será de todos os homens que do sangue, esperam a reabilitação na graça dos merecimentos do divino Filho de Deus. Por uma mulher veio a morte. De uma Mulher nos virá a vida.

Justa, justíssima, pois, é a alegria dos espíritos bem-aventurados, que em Maria saúdam sua Soberana. Pelo nascimento da Mãe do Salvador,  revive a esperança de um dia verem preenchidos os lugares, que a rebeldia dos maus Anjos deixou vagos. Jubila a terra, jubila o céu. Abre também teu coração à alegria, saudando a Mãe de teu Salvador.  “VIVA MARIA!”

À vossa proteção nos acolhemos, Santa Mãe de Deus, não desprezeis as nossas súplicas em nossas necessidades, mas livrai-nos de todos os perigos, ó Virgem gloriosa e bendita.

Fonte:  catolicosribeiraopreto.com

Sobre o autor

Mateus